domingo, 5 de janeiro de 2014

Dia de Reis e Reisado – 6 de janeiro

Gláucia Lima*
Dia 6 de janeiro comemora-se o dia de reis devido aos três reis magos Melchior (ou Belchior), Baltazar e Gaspar que conforme explica Câmara Cascudo produziu as conceituações de Reisado. Esta festa brasileira-lusitana do Reisado (mais folguedal e um pouco menos religioso) ou da folia de reis (de onde saem outras vertentes como o terno de reis). Então trazemos vídeos, músicas e todo colorido desta bela festa popular e religiosa.
o Reisado ou Folia de Reis, que ocorre sempre entre o Natal e o dia de Reis (6 de janeiro) e envolve com muita beleza diversas manifestações populares. Esta manifestação folclórica é bastante lembrada pelos trajes coloridos, enfeites e os elementos como o boizinho, chapéus típicos como o chapéu de cidade, ou chapéu de casas ou igrejas colocados sobre a cabeça de alguns participantes.
Para tratarmos do reisado vemos o verbete de Luis da Câmara Cascudo sobre o tema e trazemos alguns trabalhos artísticos com o tema da folia de reis que inclui diversas danças. Neste próximo domingo postaremos vídeos com a dança da folia de reis em edição especial do Devir/Dançar. Afinal sentimos que todo encontro bailante é especial…
“É denominação erudita para os grupos que cantam e dançam na véspera e dia de Reis (6 de janeiro). Em Portugal diz-se reisada e reiseiros, que tanto pode ser o cortejo de pedintes, cantando versos religiosos ou humorísticos, quanto os autos sacros, com motivos sagrados da história de Cristo. O reisado tem sua origem na Idade Média. Da dramacidade antiga guarda apenas as embaixadas e os diálogos, como o Reisado e o guerreiro. Ao centre ao ciclo natalino, é formado por grupos músicos, cantadores e dançadores que vão de porta em porta anunciar a chegada do Messias e homenagear os três reis Magos. O reisado é conhecido também com os nomes de Reis, Folia de Reis, Boi de Reis, e o enredo é sempre a Natividade, os Reis Magos e os pastores a caminho de Belém. No Brasil a denominação sem especificação maior, refere-se sempre aos Ranchos, Ternos, grupos que festejam o Natal e Reis. Vestem-se de Calça ou saiote, com guarda-peito, uma espécie de colete enfeitado com vidrilhos, lantejoulas, espelhinhos e fitas coloridas. O Reisado pode ser apenas a cantoria como também possuir enredo ou série de pequenos atos encadeados ou não. Este folguedo foi estudado por Théo Brandão e José Maria Tenório Rocha em Alagoas” - Luiz de Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, 11a ed.

Faixa 13 do CD Areia do Mar – 30 anos de Resistência do GTC – Grupo de Tradições Cearenses, 1996 (com minha participação no coro)
Reisado

Reisado é uma festa popular introduzida no Brasil pelos portugueses no período colonial e ainda hoje realizada em muitas cidades brasileiras. O nome é dado aos festejos realizados por grupos que cantam os chamados ternos entre o Natal e o Dia dos Reis Magos, ou Dia de Reis (6 de janeiro), muitas vezes acrescentando às cantorias cenas baseadas em um enredo sobre o nascimento de Jesus e homenagens aos Três Reis Magos. Em geral, as festas são realizadas na rua, como procissões.
Uma das principais características do reisado são os trajes usados pelos participantes, em geral roupas muito coloridas, chapéus, fitas e espelhinhos.
Outra característica diz respeito à estrutura da festa. A maioria dos reisados festejados no Brasil transcorre segundo o mesmo roteiro: abertura da porta, entrada, louvação do Divino, chamadas do rei, peças de sala, danças, a guerra, as sortes, a despedida.

Variações

Com a passagem do tempo, a maneira de realizar o reisado, assim como a data, foi variando de região para região do Brasil. Há grupos de reisado uniformizados e que se apresentam ao longo de todo o ano. Em seu livro Dicionário do folclore brasileiro, o pesquisador Luís da Câmara Cascudo conta que certa vez assistiu a um reisado da cidade de Viçosa (Alagoas) em que havia duelo com espadas entre um rei e um fidalgo. A encenação contava com a participação de várias pessoas vestidas luxuosamente a caráter repetindo ao mesmo tempo as falas cantadas pelos protagonistas.

Terno de reis e folia de reis

O terno de reis e a folia de reis são semelhantes. Acontecem só no período compreendido entre o Natal e o Dia de Reis, mas não como grandes festejos de rua. São em geral pequenos grupos, cantando músicas de louvor, que vão à noite pelas ruas e pedem licença para entrar em algumas casas.
É sempre considerado uma honra ser escolhido por um terno ou um grupo de folia de reis. Com cânticos, o grupo pede licença para entrar e é recebido com alegria pelo dono da casa. Os cânticos prosseguem, o dono da casa oferece de comer e de beber, coisas rápidas, então o grupo se despede também com cânticos e dá continuidade à celebração festiva.

Instrumentos

Os instrumentos musicais tradicionais de um terno são o violão, a viola, a rabeca (violino popular), a gaita, o tambor ou a caixa de triângulo. Pandeiro e cavaquinhopodem fazer parte do conjunto, conforme a região.
Alguns grupos acentuam mais as músicas com instrumentos de percussão, ficando assim com uma batida mais forte.
Histórico
 Embora o costume de festejar os Reis seja de procedência europeia, mais precisamente da Península Ibérica, o folguedo do Reisado foi trazido para regiões cearenses por indivíduos de outras localidades. Devido talvez à falta de comunicação e à ausência de
intercâmbio social e cultural, foi conservado em sua forma antiga naquelas zonas mais longínquas do interior cearense. Apresenta várias formas de enredo e um dos mais autênticos é aquele do município de Juazeiro. Os praticantes do Reisado personificam a história dos Gladiadores Romanos, dos Três Reis Magos e a perseguição aos cristãos.
No Reisado também são introduzidos animais figurados, em seu repertório. Nele podem ser vistos Jaraguá, a Burrinha e o Boi, o qual finaliza a apresentação. A época principal de exibição do Reisado é nas festividades natalinas, sobretudo no período dos Santos Reis, advindo daí a sua denominação. Um fator importante na apresentação do Reisado é o seu caráter social, pois tanto congrega elementos de classes diversas, fazendeiros (patrões) e moradores (subalternos), como também valoriza a atuação desses indivíduos de classe social mais baixa, que nestas ocasiões, têm oportunidade de mostrar as suas habilidades artísticas.
Enredo
 “Entremos, entremos com toda delicadeza
Oh! Que salão beleza
Que já está alumiando oh! Boa noite senhores e senhoras
Eu aqui cheguei agora
Jesus está me acompanhando”.
 Em qualquer localidade, de preferência diante de um presépio, o grupo de Reisado se reúne para cantar e louvar o Nascimento de Cristo. O repertório apresenta uma variedade de peças, todas com estórias diferentes que vão se desenvolvendo, pouco a pouco, entre declamações e cantos, ao som da voz do mestre, respondida em coro pelo contra-mestre e reis (guerreiros romanos), acompanhados violas e maracás. O Reisado representa em ritmos e trajes, jornadas épicas das eras remotas dos gladiadores, havendo momento de verdadeira luta de espadas entre eles, as figuras dos Mateus e Catirinas dando humor a cada jornada, representam os bobos ou bufões do rei. Eles cantam, dançam pulam fazendo toda espécie de gracejo, pois tudo é aproveitado no Reisado para provocar o riso: as deformidades corporais, as atitudes grotescas, os apelidos, as caricaturas, os ditos populares, os gestos de agressividade, etc. durante o desenvolvimento do auto vão aparecendo em cena as figuras da Burrinha, do Jaraguá, da Ema, do Caipora e do Boi, dentre outras, que têm uma função idêntica àquela desempenhada no auto do Bumba-meu-boi. Esta aglutinação de elementos do Reisado com os do Bumba-meu-boi, talvez se deva ao fato de trazer para o presente, o mesmo quadro do Nascimento de Cristo, quando os pastores com seus rebanhos e os Reis Magos foram homenageá-lo.
*Nasci em Dia de Reis, 6 de janeiro. Ainda fui agraciada pela vida de ter nascido minha filha Gláucia Maria, na véspera do meu 'reisado'...
o que justifica esta postagem hoje 5 de janeiro.
“Deus vos salve casa santaAonde deus fez a morada
 
Aonde mora o cálice bento?E a hóstia consagrada
Aonde mora o cálice bento?E a hóstia consagrada”
 


  

Nenhum comentário:

Postar um comentário